Surfista paulistano em ondas cariocas

Zé Roberto (Escola de Surfe Rico)

Há uma semana publiquei o post sobre a passagem de Thomas Rittscher Junior, uma perda na história do surf nacional. Com essa notícia decidi parar o blog por sete dias para refletir sobre o meu surf. Saí em busca de novas experiências neste esporte fantástico, novas etapas.

A primeira conquista vivida por mim e pela Dona Dade foi no final de semana, na praia de Pernambuco, no Guarujá, litoral sul de São Paulo. Pela primeira vez na minha curta vida de surfista consegui dropar minha primeira onda sozinho, sem a ajuda ou o auxílio de um instrutor. Infelizmente a onda também foi curta, pois tive que pular da prancha para não atropelar duas banhistas que estavam na água.

Na terça-feira, dia 29, pela manhã eu estava na praia da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, dropando em ondas cariocas. Apesar de ter viajado a trabalho, não podia deixar de aproveitar a oportunidade.

Como não tinha levado a Dona Dade comigo, fiz uma pesquisa na internet, localizei a Escola de Surfe Rico, liguei para o surfista Zé Roberto (na foto acima) e marquei com ele um surf as 7h30 em plena terça-feira (29/11). A sensação de dropar na cidade do surf no Brasil foi indescritível. Mesmo eu ainda sendo um prego na modalidade, surfar nas geladas águas cariocas (muuuuitoooooo gelada) foi praticamente renascer no surf. Naquele momento pude entender porque Thomas Rittscher Júnior se entregou de corpo e alma nesta filosofia. Aloha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑