Surfistas no resgate de baleias

Depoimentos como esse abaixo, de autoria do meu amigo e mestre de surf Eduardo da Silveira, da escola Surfistas Para Sempre, faz a gente se sentir feliz e triste ao mesmo tempo. Feliz por saber que existem pessoas no mundo assim como o Edu, que cuidam e vivem da natureza, fazendo de tudo para protegê-la e respeitá-la. Triste porque mais uma vez a maldade e a imprudência do bicho homem tirou a vida de mais um animal da natureza. A pergunta é: até quando?

Antes do depoimento emocionado do Edu, o fato foi que no último dia 27 de dezembro (2013) um filhote de baleia Jubarte foi avistado sem sua mãe atrás da Ilha das Cabras (Guarujá) e fotografado por Guilherme Kodja, do Instituto Laje Viva.

Infelizmente no primeiro dia de 2014 o mesmo filhote apareceu morto na praia de Pernambuco (Guarujá), com sua cauda e cabeça enroscadas em uma rede de pesca de fundo. Um laudo da necropsia, elaborado pelo Instituto Gremar Resgate E Reabilitação, confirmou o afogamento. Muito triste começar o ano assim. Fotos acima!!!

Fale aê brother Edu:

“Uma situação que eu nunca pensei que fosse viver. Avistei a Jubarte com poucas semanas de vida, morta. Culpa de pescadores que poderiam ajudá-la certeza, mas preferiram cortar a rede e deixá-la sofrendo. Acompanhei tudo do começo ao fim. Um resgate muito complexo, pois existia um risco já que uma rede envolvia a Jubarte. Usamos uma estratégia certa e conseguimos contatar o Gremar Resgate E Reabilitação. Trouxemos a Jubarte da Laje do Pernambuco até a Rua das Acácias e depois levamos o filhote da Escola Surfistas Para Sempre até o Mar Casado. Parece história de pescador, mas acreditem. O Antonio Carlos Leite e eu rebocamos essa Baleia cerca de 2 km, nadando. Acompanhei a necrópsia que constatou o afogamento. Fiquei mais triste ainda quando vi filtros de cigarros na boca e no estômago dela. Nada de alimentos, apenas LEITE, o que comprova que ela era uma bebê. Existia uma cicatriz do cordão umbilical ainda não cicatrizada. Poxa uma pena. Acho que as redes de barcos de pesca deveriam ter uma identificação para que nesses casos os culpados sejam punidos”.

Sobre João Carlos Godoy

Jornalista, surfista, amante, fanático por surf e pelo mar. Formado no curso de MBA de Gestão no Esporte da Universidade Anhembi Morumbi e assessor de imprensa na área de negócios e esporte. E-mail para contato: jc.surfistapaulistano@gmail.com
Esse post foi publicado em Aloha, Boca no trombone, Denúncia contra a natureza, Ecologicamente correto, Esporte, Esporte solidário, Inspirado, Natureza, Surf, Sustentabilidade e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s