Surf contra a violência #surfsemviolencia

Alessandro Castro

Alessandro Castro

Nunca ouvi falar, nem sei quem é o surfista Alessandro Castro, também conhecido como “Rato”, local de Florianópolis (na foto acima). Porém, li nesta semana que ele foi covardemente agredido na última quinta, dia 7, no fim de tarde surfando no Campeche (SC).

Segundo depoimentos de amigos do “Rato” no Facebook, ele é um camarada de longa data de uma galera da região, pessoa super tranquila.

“Rato” foi agredido por quatro “surfistas” que se dizem locais do Campeche, por uma simples disputa por ondas. Mais um B.O. por agressão no surf foi registrado.

Bem, como eu disse acima, não conheço o tal “Rato”, mas o respeito como pessoa e como surfista antes mesmo de conhecê-lo. Também não sei o que aconteceu no dia da briga. A única coisa que posso afirmar é que seja lá qual for o motivo do desentendimento, agredir uma outra pessoa não justifica nada.

E, as histórias de localismo no surf tem que acabar. Local de praia é peixe. Defender a praia é uma coisa, agredir uma pessoa é outro departamento. Isso tem que acabar porque as ondas são de todos.

“Rato”, não te conheço, mas você tem o meu respeito, como pessoa e como surfista. Boas ondas, amigo.

#surfsemviolencia

Aloha!!!

Sobre João Carlos Godoy

Jornalista, surfista, amante, fanático por surf e pelo mar. Formado no curso de MBA de Gestão no Esporte da Universidade Anhembi Morumbi e assessor de imprensa na área de negócios e esporte. E-mail para contato: jc.surfistapaulistano@gmail.com
Esse post foi publicado em Aloha, Boca no trombone, Denúncia, Esporte, Esporte solidário, Localismo, Surf. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Surf contra a violência #surfsemviolencia

  1. Luciano Santanna disse:

    Nosso esses dias fui agredido verbalmente por um cara no Laguinho em Caragua, isso só porque eu falei pro meu sobrinho ir na onda qur já estava re posse dele e o cara tava remando no rabo da onda não foi. Me xingou de tudo quanto é nome mandou tomar naquele lugar. Falou q eu estava incentivando o menino ir na onda só pra arrumar confusão. Disse que sou da paz, Ele me incarou eu olhei no fundo dos olhos dele e disse uma frase biblica. MAIOR é aquele que está em mim do que está por trás de você. Ele não sei se entendeu, saiu remando bufando como um pit bull irado eu fiquei na paz pegando minhas ondas respeitando o crowd. Mas a maioria uns 15 dentro de água ficou quetinha pois o cara tem fama de Black trank, não sei o nome dele e nem quero saber, sei que essa palhaçada nesse pico tem que acabar. Muita gente já foi agredido por lá.

    Enviado por Samsung Mobile

  2. Sim, meu caro amigo Luciano Sant’anna, essas cenas de violência tem que acabar. Vc está certo em não reagir e colocar a ação nas Mãos de Deus. Só Deus, o verdadeiro dono dos mares e oceanos tem o poder se julgar que é digno de andar sobre suas ondas. Aloha. Abs

  3. Andréa disse:

    Boa noite galera! Continuamos a espera de uma resposta das autoridades para este fato que foi definido por uma testemunha como “selvageria”. Infelizmente, como sabemos, a justiça é lenta e falha e até agora, passado mais de um mês do ocorrido, não sabemos nem sequer o que foi feito com o tal policial… triste realidade!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s