Ítalo Ferreira no top 3!!!

italo ferreira

Ítalo Ferreira. Foto: WSL / Kelly Cestari

As três primeiras etapas do Samsung Galaxy Championship Tour em 2016, circuito mundial de surf profissional, organizado pela World Surf League, se comparadas aos últimos cinco anos está, até o momento, sendo um tanto quando exótica. Taj Burrow se aposentou, Mick Fanning não vai correr o circuito, Kelly Slater na 25ª posição, Matt Wilkinson venceu as duas primeiras etapas e lidera o ranking 2016. Essas são apenas algumas da evidências que tornam a minha máxima uma verdade.

Para a torcida brasileira, acostumada nos últimos dois anos a ver só vitórias brazukas, algo diferente paira no ar. A primeira delas foi a contusão de Filipe Toledo, na primeira etapa do ano. Podemos citar também as atuações, um tanto quanto apagadas, de Adriano de Souza e Gabriel Medina. Por outro lado, olhando para a versão positiva da moeda, os brasileiros assistiram até aqui uma performance surpreendente do capixaba Ítalo Ferreira (foto acima). Com duas semi-finais na bagagem em 2016, o jovem surfista do circuito, considerado revelação do ano em 2015, ocupa atualmente a terceira posição do circuito.

sebastian zietz

Sebastian Zietz. Foto: WSL / Ed Sloane

Porém, se o circuito tem fatos diferentes, outras coisas não mudam. Uma delas é o complexo vira-lata da torcida verde e amarela. O que mais li em grupos das redes sociais nos últimos dias foi “garfaram fulano”, “garfaram ciclano”. Ora, não estou aqui pra defender a WSL, mas até o momento “De Souza”s, “Toledo”s e “Medinas”s venceram e o surf brasileiro era imbatível. A partir do momento em que nomes como Matt Wilkinson e Sebastian Zietz (vencedor do Drug Aware Margaret River Pro, foto acima) começam a vencer estamos sendo garfados? Na minha opinião falta parte da torcida começar a entender de que o surf nacional, vencedor até aqui, precisa começar a surfar de verdade. No estilo Ítalo Ferreira.

Confira abaixo os melhores momentos da final entre o campeão Sebastian Zietz e o australiano Julian Wilson em Margaret River.

Analisando a performance dos brasileiros, de cima para baixo temos:

– A já performance surpreendente de Ítalo Ferreira, que chegou até a semi final, contra o havaiano e campeão Sebastian Zietz, merece destaque. Dentro os muitos feitos que esse capixaba aprontou nesta etapa está a nota 9,13 (vídeo abaixo), conquistada pelo atleta nas quartas de final, contra  o norte-americano Kolohe Andino.

– O paulista Caio Ibelli chegou até as quartas de final da competição. A melhor bateria de Ibelli (vídeo abaixo) na prova aconteceu no round 3, contra o havaiano John John Florence, que inclusive, ultimamente tem ficado bem apagado no tour.

– Na sequência, o melhor brasileiro dentro da água foi o campeão mundial de 2014: Gabriel Medina. Isso não quer dizer que esse resultado seja positivo. Medina atualmente ocupa a 18ª posição do ranking e um 9º lugar conquistado em Margaret River é o melhor resultado do atleta até o momento nesse ano. Na prova, a melhor atuação de Medina foi no round 1, infelizmente (vídeo abaixo).

– No round 3 da competição, a torcida brasileira amargou, infelizmente, derrotas eliminatórias para o tour 2016. Miguel Pupo sucumbiu contra o vice-campeão da prova:  Julian Wilson (vídeo abaixo).

– O atual campeão mundial de surf, Adriano de Zouza, perdeu para o novato italiano Leonardo Fioravanti (vídeo abaixo) no round 3.

– O também paulista no tour, Wiggolly Dantas se manteve firme até a oitava bateria do heat 3 (vídeo abaixo).

– A bateria de número 12 do round 3 foi entre Ítalo Ferreira e Alejo Muniz, com derrota para o ex-recém-contundido Aleho Muniz.

–  Por fim, na repescagem (round 2), uma disputa entre entre Caio Ibelli e Alex Ribeiro fez o paulista Alex Ribeiro voltar pra casa mais cedo (vídeo abaixo).

Feminino – entre as damas da elite do surf profissional mundial, a etapa acabou em Margaret River com a vitória da australiana Tyler Wright, que ocupa atualmente a segunda posição do ranking mundial, antecedida pela norte-americana Courtney Conlogue, e seguida pela havaiana Carrisa Moore. Confira abaixo os melhores momentos da final entre as mulheres.

 

Sobre João Carlos Godoy

Jornalista, surfista, amante, fanático por surf e pelo mar. Formado no curso de MBA de Gestão no Esporte da Universidade Anhembi Morumbi e assessor de imprensa na área de negócios e esporte. E-mail para contato: jc.surfistapaulistano@gmail.com
Esse post foi publicado em Aloha. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Ítalo Ferreira no top 3!!!

  1. LUCAS BARROS disse:

    Ótimo artigo, completo e com argumentos com justificativa.
    Esse “complexo” é algo extremamente cansativo, verdade seja escrita temos uma nova ordem no Surf Mundial… e até que os top’s brazucas reajam a mesma continuará incomodando e mostrando o seu valor.
    Gostei muito do surf de Caio Ibeli, considero-o como candidato fortíssimo ao titulo de rookie de 2016.
    Ítalo tá surfando muito, sua 1ª vitória no tour está muito próxima.
    Essa foi a 3ª vez que encarou o Medina, levou as 3.
    Alejo, Alex Ribeiro, Wiggolly ficaram devendo.
    No RJ com a trupe completa, acredito em uma etapa incrível

    • Obrigado, Lucas, pelos comentários. Sem dúvida, esse complexo de vira-lata precisa deixar de existir. Engraçado que não ouvi ninguém dizer que garfaram o Julian Wilson em Margaret, kkkkkkkkk.

      • LUCAS BARROS disse:

        Eu como surfista iniciante e aprendiz em alguns momentos não concordo com algumas notas, mas temos que assumir que “De Souza”s, e “Medinas”s não iniciaram 2016 ainda.
        Sobre “Toledo”s espero uma volta triunfal no RJ

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s