Estreias de abril no OFF

Nesta semana, o badalado Canal OFF traz estreias de programas de surf que prometem animar a semana da galera, principalmente para quem mora em Sampa, como eu (rsrsrs). Confira a galeria de fotos acima de cada um dos conteúdo citados.

Só nesta segunda-feira, dia 16/04, você confere a estreia dos programas abaixo:

– 6ª temporada de “Mundo Medina”, mostrando o cotidiano e os treinos de Gabriel Medina para campeonatos nacionais e internacionais – 21h; Continue lendo “Estreias de abril no OFF”

Quem entra e sai da elite do surf em 2018

john john_WSL_TONY HEFF
John John Florence (bi-campeão mundial de surf profissional). Foto: WSL/Tony Heff.

Aloha galera!!! Após o término do Billabong Pipe Master, última etapa do circuito mundial de surf profissional, que acabou nesta segunda 18 com a vitória do francês Jeremy Flores, e após a conquista do título de bicampeão mundial de surf profissional para o havaiano John John Florence (título mais que merecido), agora podemos divulgar sem medo de errar quem serão os 34 atletas que vão compôr o tour em 2018.

Os 22 primeiros classificados pelo ranking principal para 2018 são: John John Florence, Gabriel Medina, Julian Wilson, Jordy Smith, Matt Wilkinson, Owen Wright, Kolohe Andino, Adriano de Souza, Joel Parkinson, Filipe Toledo, Sebastian Zietz, Mick Fanning, Connor O’Leary, Frederico Morais, Jeremy Flores, Adrian Buchan, Kanoa Igarashi, Caio Ibelli, Michel Bourez, Conner Coffin, Joan Duru e Ítalo Ferreira.

jesse_WSL_STEVE ROBERTSON
Jesse Mendes. Foto: WSL/Steve Robertson

Os classificados pelo circuito de acesso (WQS) para a elite são Griffin Colapinto, Jesse Mendes (Brasil), Wade Carmichael, Tomas Hermes (Brasil) , Yago Dora (Brasil), Willian Cardoso (Brasil), Keanu Asing, Ezekiel Lau, Michael Rodrigues (Brasil) e Patrick Gudauskas.

Um fato muito importante para ser considerado, que vai contra a teoria da conspiração da turma do “mi, mi, mi” é que em 2018 o Brasil terá o maior time de surfistas no tour entre as nações que vão disputar o caneco principal. Serão onze brasileiros correndo pelo título no próximo ano contra oito australianos, seis norte-americanos, quatro havaianos, dois franceses, um sul-africano, um português e um tahitiano. Ou seja, sem sombra de dúvidas, o Brasil vive a sua melhor fase no surf competição internacional e o fato de não levar o título não significa que os brasileiros estão sofrendo perseguição. Em um passado muito recente (2014 e 2015) a bandeira verde e amarela flamulou no lugar mais alto do mundo do surf. O brasileiro precisa sim aprender a perder e dar o mérito para o atual bi-campeão mundial, John John Florence, que ao lado do brasileiro Gabriel Medina é, sem dúvida, o melhor surfista do mundo na atualidade.

Pela regra da Liga Mundial de Surf (WSL), dois atletas completam as duas últimas vagas do ranking (vagas 33 e 34), os chamados wildcards, considerando atletas lesionados ou convidados pela liga. A primeira vaga da lista será ocupada pelo 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, que sofreu um grave lesão no meio do circuito em 2017. A última vaga está confirmada para o brasileiro Ian Gouveia, filho do mito Fábio Gouveia. Ian encerrou a temporada na primeira vaga (23º) após o corte de classificação. Para se manter na elite o jovem atleta precisava vencer em Pipeline. Considerando que a etapa do Hawaii foi a estreia de Ian nessa prova, o pernambucano ficou com a terceira posição, o que certamente chamou a atenção dos tomadores de decisão do circuito.

ian_WSL_STEVE SHERMAN
Ian Gouveia. Foto: WSL

Além disso, os também brasileiros Miguel Pupo e Wiggolly Dantas foram anunciados pela WSL como terceiro e quatro alternates, respectivamente. Uma espécia de lista de espera do tour.

jadson_WSL_TONY HEFF
Jadson André. Foto: WSL/Tony Heff

Infelizmente o time brasileiro sofreou baixas relevantes no time para 2018. Os atletas que deixam a elite no próximo ano são: Jadson André (Brasil), Wiggolly Dantas (Brasil), Bede Durbidge, Ethan Ewing, Leonardo Fioravanti, Josh Kerr (aposentado), Jack Freestone, Stu Kennedy, Miguel Pupo (Brasil) e Nat Young.

 

The Board Trader Show 2018 – parte 1

Aloha!!! Sim, galera, não errei o título não, a próxima edição da The Board Trader Show 2018 já tem data pra acontecer, em São Paulo. Será entre os dias 22 e 24 de setembro do próximo ano e se o evento entregar mais do que entregou em 2017 será mais um sucesso. Mas, como não dá pra prever o futuro, vamos falar da edição desse ano, que aconteceu entre os dias 28 e 30 de setembro. Acima você confere uma seleção de fotos da galera da agência Atualle Fotografia.

Assim como acompanhei o evento em sua primeira edição, em 2016, esse ano não foi diferente. Para falar a verdade foi até melhor porque consegui visitar dois dias da feira, o que tornou possível fazer muito mais entrevistas que em breve vou colocar no ar.

Ao contrário do ano passado que ouvi algumas críticas de público, esse ano só ouvi elogios. Uma pessoa ou outra reclamou que os preços das pranchas esse ano não estavam tão mais baratos como no ano passado, mas mesmo assim o evento ainda é uma ótima opção para comprar seu board. Outra pequena reclamação, essa é minha mesmo, é que o preço da alimentação poderia ser mais em conta. A qualidade da comida é nota 10, mas o preço acompanha a qualidade, ou seja, é alto. R$ 30 por um hamburguer + R$ 8 em um refri é pesado, principalmente pra quem frequenta o evento dois dias seguidos. Mas ok, a programação apresentada, o nível dos shapers e as novidades compensam esses detalhes.

Seria injusto só criticar o que é caro e deixar de elogiar a organização pelo que ficou mais barato em relação à 2016. Sim, nem tudo sobe de preço nesse país. O valor do ingresso da The Board Trader Show 2017 estava mais barato do que foi cobrado em 2016. Ano passado custava R$ 70,00, esse ano foi R$ 50,00. Preço justo, na minha opinião, se comparado com outros eventos do mesmo nível de diferentes segmentos que acontecem em São Paulo. Aliás, esse ano rolou até uma promoção relâmpago de dois ingressos por R$ 40,00, se não estou enganado. Quem ficou ligado se deu bem.

Voltando para os corredores da feira, os principais shapers do Brasil, as melhores parafinas do mercado, as marcas de acessórios mais tops, artistas de ponta, empresas que prestam serviço no surf, renomadas marcas de surfwear, entre outros, estavam presentes e no último dia, sábado 30, o local estava lotado. Galera compareceu em peso como mostra galeria acima do fotógrafo Tom Dib.

Como comentei lá em cima, aos poucos vou publicando os conteúdos com as novidades apresentadas, porém, para adiantar publico abaixo uma outra galeria (de minha autoria mesmo) que mostra alguns dos principais entrevistados e encontros com personalidades ilustres que marcaram presença no evento.

Em paralelo à venda de pranchas, acessórios e serviços, a The Board Trader Show 2017 foi composta por outras atividades muito bacanas que chamaram e muito a atenção do público. Duas delas, na minha opinião, se destacam:

Harley-Davidson Master of Shape – com patrocínio da Harley-Davidson, que aliás estava com um stand irado (fotos acima), e da Teccel, a disputa Master of Shape contou com a presença de Johnny Cabianca (shaper de Gabriel Medina), Tim Patterson (shaper de Ítalo Ferreira), Eric Arakawa (shaper do saudoso Andy Irons), entre outras estrelas do segmento. Pelo segundo ano consecutivo Rodrigo Silva (foto abaixo), responsável pelas pranchas da Emery, JR Surfboards, Channel Islands, Pukas e Hot Buttered no Brasil, levou a melhor ao replicar na mão uma icônica prancha Twin dos anos 70, de Eduardo Argento, da Twin Surfboards. A competição é de curadoria do shaper Neco Carbone, com júri de Delton Menezes, da Classic Longboards, e Carlos Argento, da Twin Surfboards.

457068_679x452.jpg
Rodrigo Silva, vencedor do Harley-Davidson Master of Shape. Foto: Ader Oliveira
457634_670x481.28333333333336
Produtos vencedores do Best in Show. Foto: Levy Paiva.

Outra disputa entre os melhores shapers do Brasil que ocorreu durante o evento foi o “Best In Show” (foto acima), onde especialistas do mercado foram convidados para eleger os melhores produtos da feira, em oito categorias, organizadas em Prancha, Longboard, SUP (Stand Up Paddle), Prancha do Futuro, Releitura Clássica, Solução Sustentável, Acessório e Inovação do Ano. Em 2017 os vencedores foram as marcas Sharp Eye (Prancha Performance); Claudio Pastor (Longboard); Neco Carbone/New Advance (SUP); biquilha Aerofish (Releitura Clássica); capa de prancha/Magnet (Acessório);  prancha de cortiça e madeira/Felipe Siebert (Solução Sustentável); colete NOB (Inovação do Ano); e foilboard Gokite / Powerlight (Prancha do Futuro).

 

 

Mineiro afiado

O brasileiro Adriano de Souza, o Mineiro, campeão mundial de surf profissional em 2015, publicou nesta segunda 28 em seu canal do YouTube um vídeo mostrando sua preparação para o Hurley Pro at Trestles, na Califórnia. Como palco de treino, Mineiro escolheu as direitas de El Salvador.

A disputa em Trestles, oitava do circuito da Liga Mundial de Surf, acontece entre 6 e 17 de setembro.

Com boa atuação no primeiro semestre do ano, duas quintas colocações e uma vitória no Oi Rio Pro, em Saquarema, Adriano de Souza não repete, até o momento, boa atuação no circuito mundial neste segundo semestre. As três últimas competições, o surfista local do Guarujá conseguiu três 13º colocações seguidas, o que o tirou da vice-liderança do ranking para a sexta posição.

Espero ver a reação de Adriano de Souza nas próximas etapas porque acredito no potencial desse atleta para ser o primeiro bi-campeão mundial de surf do Brasil. Que Deus abençoe as próximas atuações dele no tour.

Aloha!!!

Blog no WordPress.com.

Acima ↑