Rango saudável no Castelo Oric

O Castelo Oric, um dos pontos mais badalados de Porto Alegre (RS), patrimônio histórico da capital gaúcha, sede da Oric Surfboards, a partir deste sábado 21, também será o endereço da POT.IN, restaurante de comida saudável aberto em 2016 conhecido por suas saladas artesanais e mais de 20 produtos incluindo molhos, bolos, açaí, caldos, além das marmitas naturais.

A POT. IN abre suas portas no dia 21 de abril em evento comemorativo a partir das 19h. O funcionamento será de quarta a domingo (quartas, quintas e domingos das 10h às 19h; sextas e sábados, das 10h às 22h).  Continue lendo “Rango saudável no Castelo Oric”

XYZ Live une Sorriso ao Instituto Gabriel Medina

Air Medina_Sorriso.jpg

A XYZ Live, agência de marketing de entretenimento e ativação, é a responsável pelo patrocínio fechado entre a marca Sorriso, da Colgate-Palmolive, com o Instituto Gabriel Medina, projeto de formação de jovens atletas do surf. Para celebrar essa parceria, a XYZ Live preparou para a Sorriso uma ativação direta com o público, o Air Medina. Trata-se de uma estrutura de mais de sete metros de altura onde os banhistas de Maresias puderam simular o aéreo, a manobra mais famosa do surf no momento. O projeto acontece gratuitamente em frente ao próprio Instituto Gabriel Medina, na praia de Maresias, nos dias 25 e 26 de janeiro de 2018.

A ação idealizada pela XYZ Live foi integrada ao projeto Verão com Sorriso, das agências Red Fuse e Burson-Marsteller Brasil, que teve início no final de 2017, onde a marca promoveu momentos de descontração e refrescância para um time de influenciadores, entre eles Rafael Vitti e Vitor Liberato, presentes também em Maresias.

O acordo de patrocínio anual entre a marca de saúde bucal e o Instituto Gabriel Medina prevê ainda a aplicação da marca Sorriso na piscina de treinamento, na área dos chuveiros, nas mini pranchas dos alunos e no material de comunicação por todo o ambiente do Instituto.

Sorriso_Instituto Gabriel Medina

Votação valendo prêmios no Maresias Crew

Aloha galera!!! Na paz? Quem é Surfistas Paulistano de verdade, ou seja, passa a semana sonhando com o mar, trampando na Selva de Pedras e no final de semana desce direto pro litoral, certamente tem o Canal Maresias Crew salvo nos favoritos do seu perfil no YouTube. Eu pelo menos tenho e indico. É naquela semana pesada de trampo em SP que eu acesso o Maresias Crew para ver a galera pegando altas em Maresias e região durante a semana. Já que muitas vezes nós de Sampa não podemos pegar umas ondinhas durante a semana, pelo menos assistindo o canal dá pra amenizar a fissura ou aumentá-la ainda mais, rsrsrsrsrs.

Enfim, o fato é que os vídeos do Maresias Crew são irados e a produção é de alto nível. Fora que nunca faltam surfistas de peso nas imagens dessa galera.

Para encerrar 2017 com chave de ouro, o canal lançou nessa semana o “Indo Boat Cruise Apresenta: 1º Prêmio Maresias Crew”. Trata-se de uma votação popular que vai eleger o melhor tubo de Maresias filmado pelo canal, exibido no vídeo acima.

Para concorrer acesse o Maresias Crew clicando no vídeo acima e vote no melhor tubo filmado na remada.

Os participantes concorrem a um final de semana com acompanhante em Maresias oferecido pela Pousada Maréatoa Maresiastambém um kit exclusivo Maresias Crew com boné e camiseta.

Para o surfista vencedor do concurso o prêmio é composto por duas semanas de estadia com café da manhã em Bali na Indonésia no Villa Karisa Balioferecido pela Indo Boat Cruise.

Para concorrer é simples, se inscreva no canal no YouTube e comente no vídeo o número da onda que você escolheu, só vale um comentário e dia 30 de dezembro a galera vai sortear o vencedor.

O “Indo Boat Cruise Apresenta: 1º Prêmio Maresias Crew” conta com apoio
Apoio das marcas Ponchos, Surf Alive, ZeroDozeCambury Sat
hoomaluoficial e
Villa Karisa Bali.

The Board Trader Show 2018 – parte 1

Aloha!!! Sim, galera, não errei o título não, a próxima edição da The Board Trader Show 2018 já tem data pra acontecer, em São Paulo. Será entre os dias 22 e 24 de setembro do próximo ano e se o evento entregar mais do que entregou em 2017 será mais um sucesso. Mas, como não dá pra prever o futuro, vamos falar da edição desse ano, que aconteceu entre os dias 28 e 30 de setembro. Acima você confere uma seleção de fotos da galera da agência Atualle Fotografia.

Assim como acompanhei o evento em sua primeira edição, em 2016, esse ano não foi diferente. Para falar a verdade foi até melhor porque consegui visitar dois dias da feira, o que tornou possível fazer muito mais entrevistas que em breve vou colocar no ar.

Ao contrário do ano passado que ouvi algumas críticas de público, esse ano só ouvi elogios. Uma pessoa ou outra reclamou que os preços das pranchas esse ano não estavam tão mais baratos como no ano passado, mas mesmo assim o evento ainda é uma ótima opção para comprar seu board. Outra pequena reclamação, essa é minha mesmo, é que o preço da alimentação poderia ser mais em conta. A qualidade da comida é nota 10, mas o preço acompanha a qualidade, ou seja, é alto. R$ 30 por um hamburguer + R$ 8 em um refri é pesado, principalmente pra quem frequenta o evento dois dias seguidos. Mas ok, a programação apresentada, o nível dos shapers e as novidades compensam esses detalhes.

Seria injusto só criticar o que é caro e deixar de elogiar a organização pelo que ficou mais barato em relação à 2016. Sim, nem tudo sobe de preço nesse país. O valor do ingresso da The Board Trader Show 2017 estava mais barato do que foi cobrado em 2016. Ano passado custava R$ 70,00, esse ano foi R$ 50,00. Preço justo, na minha opinião, se comparado com outros eventos do mesmo nível de diferentes segmentos que acontecem em São Paulo. Aliás, esse ano rolou até uma promoção relâmpago de dois ingressos por R$ 40,00, se não estou enganado. Quem ficou ligado se deu bem.

Voltando para os corredores da feira, os principais shapers do Brasil, as melhores parafinas do mercado, as marcas de acessórios mais tops, artistas de ponta, empresas que prestam serviço no surf, renomadas marcas de surfwear, entre outros, estavam presentes e no último dia, sábado 30, o local estava lotado. Galera compareceu em peso como mostra galeria acima do fotógrafo Tom Dib.

Como comentei lá em cima, aos poucos vou publicando os conteúdos com as novidades apresentadas, porém, para adiantar publico abaixo uma outra galeria (de minha autoria mesmo) que mostra alguns dos principais entrevistados e encontros com personalidades ilustres que marcaram presença no evento.

Em paralelo à venda de pranchas, acessórios e serviços, a The Board Trader Show 2017 foi composta por outras atividades muito bacanas que chamaram e muito a atenção do público. Duas delas, na minha opinião, se destacam:

Harley-Davidson Master of Shape – com patrocínio da Harley-Davidson, que aliás estava com um stand irado (fotos acima), e da Teccel, a disputa Master of Shape contou com a presença de Johnny Cabianca (shaper de Gabriel Medina), Tim Patterson (shaper de Ítalo Ferreira), Eric Arakawa (shaper do saudoso Andy Irons), entre outras estrelas do segmento. Pelo segundo ano consecutivo Rodrigo Silva (foto abaixo), responsável pelas pranchas da Emery, JR Surfboards, Channel Islands, Pukas e Hot Buttered no Brasil, levou a melhor ao replicar na mão uma icônica prancha Twin dos anos 70, de Eduardo Argento, da Twin Surfboards. A competição é de curadoria do shaper Neco Carbone, com júri de Delton Menezes, da Classic Longboards, e Carlos Argento, da Twin Surfboards.

457068_679x452.jpg
Rodrigo Silva, vencedor do Harley-Davidson Master of Shape. Foto: Ader Oliveira
457634_670x481.28333333333336
Produtos vencedores do Best in Show. Foto: Levy Paiva.

Outra disputa entre os melhores shapers do Brasil que ocorreu durante o evento foi o “Best In Show” (foto acima), onde especialistas do mercado foram convidados para eleger os melhores produtos da feira, em oito categorias, organizadas em Prancha, Longboard, SUP (Stand Up Paddle), Prancha do Futuro, Releitura Clássica, Solução Sustentável, Acessório e Inovação do Ano. Em 2017 os vencedores foram as marcas Sharp Eye (Prancha Performance); Claudio Pastor (Longboard); Neco Carbone/New Advance (SUP); biquilha Aerofish (Releitura Clássica); capa de prancha/Magnet (Acessório);  prancha de cortiça e madeira/Felipe Siebert (Solução Sustentável); colete NOB (Inovação do Ano); e foilboard Gokite / Powerlight (Prancha do Futuro).

 

 

Universitário de surf é sucesso em Maresias

A primeira etapa do Circuito Paulista Universitário de Surf, organizado pela Ibrasurf/Flux, aconteceu nos últimos dias 17 e 18 em Maresias (SP). Mais uma vez o evento reuniu os melhores atletas universitários do surf paulista.

Confira os melhores momentos do evento nas lentes dos fotógrafos Márcio Rovai e Yunes Skhader, da Altas Produções.

Abaixo segue o resultado completo da prova que terá sua segunda etapa nos dias 29 e 30 de outubro na praia de Itamambuca, em Ubatuba (SP).

Resultados – 1ª Etapa do 18º Circuito Universitário de Surf:

Paulistana

1º Pedro Tanaka (Mackenzie)

2º Renan Castro (Instituto Europeo de Design)

3º Daniel Araujo (Anhembi Morumbi)

4º Thiago Menezes (Unip)

Formados

1º Dárcio Dias (Unifesp)

2º Diego Rodrigues (Universidade Bras Cubas)

3º William Marroco (Uninter)

4º Lucas Rigueiral (Universidade de Mogi das Cruzes)

Masculina Open

1º Luiz Diniz (Don Domênico)

2º Kaipo de Jesus (Unaerp)

3º Gabriel Rochetto (FASS)

4º João Gabriel (ESAMC)

Feminina

1º Stephanie Frumento (Don Domênico)

2º Larissa Ferreira (Gama Filho)

3º Yohana Sarandini (UniABC)

4º Fernanda Infanti (Unisanta)

Tag Team

1º Mackenzie

 

Surf sem fria: by Mormaii

mormaii

Se um surfista falar para mim que ama surfar na água fria e adora vestir um long john eu vou estranhar. Quem não gosta de surfar na água quente, só de bermuda? Mas, o inverno existe, a água é gelada e não dá para deixar de surfar, por isso, na hora de escolher o seu wetsuit procure uma roupa com tecnologia de confecção. Acredite, as marcas investem em tecnologia para facilitar nossas vidas no mar, kkkkk. Comprar um john para fugir do frio sem considerar as tecnologias empregadas em sua fabricação pode ser uma fria.

As melhores marcas testam suas roupas com atletas profissionais antes de levá-las para as lojas. No caso da brasileira Mormaii, por exemplo, o wetsuit premium da marca, o Flexxxa Pro, foi testado por nomes como Michael Rodrigues, Marco Giorgi e Mateus Herdy, que hoje disputam o circuito de acesso à elite mundial da World Surf League (vídeo abaixo).

Para surfistas que procuram uma roupa com liberdade de movimento, o Flexxxa Pro da Mormaii é dotado de um exclusivo sistema zipless, ou seja, sem zíper e sem velcro, com o objetivo de oferecer flexibilidade e conforto.

O modelo é confeccionado com um neoprene super leve, que segundo a marca, absorve menos água, sendo mais flexível e fácil de vestir. Na questão vedação, a Mormaii promete vedação total com um liquid tape externo FLEX SEAL de alta performance e fita de vedação interna NEO X4 Plus super stretch, além das costuras blindstitch e acabamento em silicone nas extremidades das mangas e pernas.

São duas opções de espessura: um modelo produzido totalmente com 2mm e outro que mescla duas espessuras (3mm no corpo e pernas e 2mm nas mangas e axilas).

Para saber mais, acesse > http://mormaii.com.br/wetsuit-flexxxapro-como-funciona

 

http://instagram.com/mormaiioficial

http://facebook.com/mormaiioficial

#SintaseMormaii

Aloha!!!

Bate-papo com Surf Van

Quem nunca viu a famosa Surf Van subindo ou descendo a serra ou estacionada nos principais picos de surf do litoral norte de São Paulo e Guarujá? Se ainda não viu, com certeza vai ver, principalmente quando estão quebrando altas ondas.

O negócio, que existe desde 2000, já percorreu incontáveis quilômetros de estrada e já proporcionou dias e dias de surf para cerca de mais de 6 mil pessoas, pela contabilidade do publicitário Douglas Pires, 41, proprietário da Van, que concedeu a entrevista abaixo para o Surfista Paulistano durante janeiro/2015 em uma praia do litoral norte de São Paulo após uma session a qual tive a oportunidade de acompanhar por acaso e conferir a vibe positiva da galera. Acima, algumas fotos traduzem também essa atmosfera.

Se você está achando que a sua session de surf foi pro saco porque você está sem carro, os seus problemas estão resolvidos. Boas ondas!!!

Para saber mais sobre a Surf Van clique aqui!

Surfista Paulistano (S.P.) – Fale um pouco sobre sua trajetória profissional e o início da Surf Van.

Douglas Pires (D.P.) – Comecei em 1992 a trabalhar como designer em empresas de surf. Em 2000, um amigo, Carlos Santana, me chamou para bolarmos a Surf Van. A gente já fazia umas viagens juntos e nessas viagens começamos a bolar as ideias até chegarmos no nome Surf Van. Trabalhamos juntos até 2007. E desde então eu sigo tocando o negócio sozinho. 

S.P. – Como são escolhidos os picos de destino da Surf Van a cada bate e volta? 

D.P. – Já sei como será a direção do swell durante a semana, seguindo sempre a previsão das ondas e ventos. As vezes defino o destino como litoral norte e outras vezes para o Guarujá. 

S.P. – O que um surfista precisa fazer para participar dos bate e voltas da Surf Van? 

D.P. – Por meio da página da Surf Van no Facebook, onde a pessoa pode entrar e se cadastrar ou pelo site, onde terá todas as informações sobre a trip e os dados bancários para depósito do valor de R$ 50,00, que é quanto custa o serviço de bate e volta, com direito a um açaí da Frooty Açaí. 

S.P. – O que está incluso no valor de inscrição do serviço?

D.P. – Ida e volta do pico (horários e pontos de chegada e partida da Van em São Paulo pelo site da Surf Van), em uma van executiva, zerada, com vídeo de surf. Eu conto com o trabalho do fotógrafo Henrique Tricca, que acompanha as trips, e eu mesmo faço os vídeos. O surfista volta da trip assistindo as imagens na Van. As imagens (filmagem) são grátis, as fotos são pagas.

S.P. – Como funciona o calendário de surf da Surf Van e quantas pessoas já surfaram ou começaram a pegar onda na companhia da Surf Van? 

D.P. – A média de viagens é de três a quatro vezes na semana. Sábado e domingo e os dois melhores dias da semana. Não sei o número ao certo, desde o início do projeto, mas acredito que já atendemos mais de 6 mil surfistas. Muita gente começou a surfar pela Surf Van e mudou seu estilo de vida completamente. A empresa tem parcerias com escolas de surf no litoral para iniciantes e também tem muito surfista experiente que usa o serviço. 

S.P. – A Surf Van também realiza Surf Trips internacionais?

D.P. – Já fizemos uma surf trip para o Chile em 2006 para 2007, porque naquele momento o dólar era favorável para isso. Podemos até pensar em voltar a organizar trips internacionais. Mas pelo Brasil já fizemos inúmeras trips de surf, de Bahia ao Sul do país, quase divisa com o Uruguai. 

S.P. – Você vive exclusivamente deste negócio? 

D.P. – Sim, eu me sustento pela Surf Van que além dos surfistas que usam o serviço também conta com o patrocínio de marcas líderes no mercado de surf. São elas: Rip Curl, loja Surfers Paradise, Ripwave, Prolite, Frooty Açaí e divulgação Waves e Fluir. 

S.P. – Como é viver do surf? 

D.P. – Para falar a verdade eu sempre quis isso desde 1992. Tentei virar surfista profissional, mas não deu certo. Tentei algumas competições. Mas sempre tive na minha cabeça que um dia eu ia ganhar dinheiro e viver do surf. Por isso eu amo o que eu faço. Deu certo. Tive a sorte de ter um amigo que deu o pontapé inicial no projeto e estou aí até hoje. O prazer que sinto neste trabalho é indescritível. Sou realizado profissionalmente porque faço o que eu gosto. Não tem coisa melhor. 

S.P. – Como começou a sua história de surfista? 

D.P. – Eu sou paulistano e surfo desde os 13 anos de idade. Comecei no litoral sul de São Paulo. Meu tio tinha apartamento em Santos, minha avó tinha casa em Itanhaem, outro tio em Praia Grande, mas meu ponto fixo era mesmo Itanhaem, onde eu inclusive morei por quatro anos. 

S.P. – Qual é o seu pico de surf preferido e o que te incomoda mais no surf? 

D.P. – Quando as ondas estão boas, um pico que tem acesso de carro e estrutura, é Maresias (SP). Agora o que mais me aborrece no surf? Putz, difícil, hein? Acho que nada (risos)…

S.P. – Nem o crowd? 

D.P. – Eu sou o cara que menos pode reclamar do crowd porque eu sempre chego em 10 surfistas. Eu praticamente levo o crowd (risos). Ultimamente estou vivendo um momento tão zen na minha vida que nem o crowd tem me incomodado. 

 

 

Surf para Todos no litoral paulista

Surf para Todos

Acontece neste mês de julho o II Surf e Praia Para Todos, ação itinerante que percorre as principais praias do litoral de São Paulo, com aulas de surf, exposição fotográfica e mostras de cinema, tudo de graça aos participantes.

No total, dez cidades serão contempladas com a ação. As primeiras paradas já aconteceram em Ubatuba, Mongaguá e Peruíbe nos dias 06 e 07. No próximo final de semana, dias 13 e 14, o evento acontece em Caraguatatuba (Praia do Indaiá ao lado do quiosque 29), Itanhaem e Bertioga. Nos dias 20 e 21 será a vez de São Sebastião e Praia Grande. O evento desembarca em Santos e São Vicente em 27 e 28 de julho. A programação das clínicas de surf é restrita para maiores de 18 anos.

Na mostra de cinema livre, o clássico filme The Endless Summer, do lendário diretor Bruce Brown, terá exibições gratuitas ao público e será acompanhado de uma exposição fotográfica conceitual no mesmo tema. A exposição fotográfica, sob curadoria do jornalista Adriano Vasconcellos, vai mostrar o surf nos anos 60 em lugares que ainda eram secrets, como as solitárias ondas da África do Sul.

O II Surf e Praia Para Todos tem apresentação da Praia Skol e ativação da revista almasurf; Copatrocínio da HD – Hawaiian Dreams; apoios do Instituto Eder Jofre e da Federação Paulista de Surf (FPS); além da participação das associações e prefeituras locais de cada praia participante. O evento é realizado graças a Lei Paulista de Incentivo ao Esporte; da Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Governo do Estado de São Paulo.

 

Na onda do Pilates

Sabe como identificar quando alguém está vidrado em um esporte? É quando o cara busca melhorar sua performance até quando não está treinando. Pois bem, faço parte dessa estatística. Nesta quarta-feira, dia 26, fiz minha primeira aula de Pilates. Objetivo: melhorar meu equilíbrio no surfe. Resultado: por enquanto nenhum, é claro. Ou melhor, alguns músculos doendo.

Vale frisar que, assim como qualquer exercício físico, Pilates não faz milagre, exige postura (abdômen contraído, sempre), boa respiração, concentração e disciplina para que os primeiros resultados apareçam.

No caso do surfe fiz uma rápida pesquisa com alguns surfistas e hoje o Pilates é uma das técnicas mais usadas para quem busca equilíbrio na onda perfeita. Em breve, pretendo dar meu depoimento próprio sobre o Pilates no surfe.

Por enquanto meu relato vívido na pele é sobre a estreia no Pilates. Meu primeiro contato com o método inventado pelo alemão Joseph Pilates foi na clínica Pilar Saúde, localizada na Avenida do Anastácio nº 1489, em Pirituba, São Paulo (na foto acima).

O lugar é muito bacana, me senti em casa e os studios de Pilates são impecáveis (na foto à dir.). A aula com a professora Karina Fava foi nota dez, fiquei amarradão, pretendo voltar fácil.

Se você é surfista e está em busca de aperfeiçoar sua técnica sobre a prancha fica aqui a dica. Aloha!

Blog no WordPress.com.

Acima ↑